Segunda-Feira , 22 Janeiro 2018

 

 

Curtir o pôr do sol na Barra será ainda mais prazeroso a partir de agora. Isso porque o prefeito ACM Neto entrega, neste sábado (23), às 10h30, as intervenções para reurbanização do entorno do Forte Santo Antônio da Barra, onde fica situado o farol. Entre as intervenções estão a substituição do gramado e a construção de um mirante para contemplação das belezas naturais que o local generosamente oferece aos baianos e visitantes. No mesmo loca, o prefeito assina a ordem de serviço para a requalificação do Morro do Cristo.

 

As ações são fruto de um trabalho em conjunto das secretarias municipais de Cidade Sustentável e Inovação (Secis), de Ordem Pública (Semop) e da Superintendência de Conservação de Obras Públicas (Sucop), além da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF). Todo o trabalho foi executado sob a supervisão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por se tratar de monumento tombado.

 

Foram substituídos 2,4 mil metros quadrados de grama - da espécie Esmeralda, que se adapta bem ao solo e clima soteropolitanos. O solo foi rebaixado cerca de 40 centímetros, recebeu adubo e terra vegetal para estar apto ao replantio da grama. Também foi construído um mirante para contemplação e tirar fotografias. As intervenções abrangem ainda recomposição de pedras portuguesas, guarda-corpos, acessibilidade e nova iluminação cênica, com investimentos de aproximadamente R$ 800 mil.

 

Ordem de serviço – Na ocasião, o prefeito assina a ordem de serviço para requalificação do Morro do Cristo, na Barra. Para a requalificação do Morro do Cristo – que é parte das ações ao longo de toda a Orla da capital baiana –, serão realizadas obras numa área de aproximadamente 500 m², com investimento previsto de R$1,2 milhão. A medida acontece às vésperas do Natal, celebrando a data mais importante do calendário cristão.

 

As ações no monumento contemplam nova alvenaria de contenção, implantação de piso e de iluminação cênica. Além do restauro da estátua do Cristo Salvador, será feita substituição do pedestal, que passará de granito preto para vidro, sem alterar as características do patrimônio, que já foi tombado pelo município, em março deste ano. A mudança do pedestal, junto com a iluminação, tem como intuito fazer com que as pessoas tenham a impressão de que o Cristo pareça “flutuar” ao largo do mar.

 

O projeto contempla também a instalação de uma Praça das Bandeiras que, inclusive, poderá ser utilizada para realização de missas campais. Haverá também melhorias no acesso, com instalação das placas atuais de concreto por granito – o que garantirá maior durabilidade – formando degraus ao longo da encosta. Será mantida ainda toda a vegetação existente, com uma diferença: o plantio de novos coqueiros na localidade.

 

História – O Monumento ao Cristo Nosso Senhor, mais conhecido como Cristo Salvador, foi tombado em março deste ano, através da Lei de Preservação ao Patrimônio Cultural do Município (Lei 8.550/2014), organizada por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM). O tombamento foi fundamentado no fato de os monumentos públicos carregarem em si a simbologia de pertencimento, valores e memória de determinado lugar ou grupo social. A estátua foi indicada por traduzir-se numa obra de caráter religioso, resguardando valores da cultura local, além de simbolismos como bênçãos à cidade, fé cristã, proteção e paz.

 

Localizada na Barra, a escultura foi fruto de uma encomenda do conselheiro José Botelho Benjamim. Natural de Lençóis, Benjamim foi promotor na Comarca de Lavras Diamantinas e juiz da Comarca de Valença, que se estabeleceu em Salvador em 1898. Ao se converter ao catolicismo, resolveu presentear a cidade com um monumento em louvor a Cristo. A obra de arte ficou a cargo de Pasquale de Chirico, que se tornou um dos mais importantes escultores de obras públicas monumentais de Salvador do século XX. Feita em um único bloco de mármore Carrara, a estátua foi trazida da cidade italiana de Gênova para a capital baiana a bordo do navio Cervino.

 

Inaugurada de forma solene em 24 de dezembro de 1920 – onze anos antes da instalação do Cristo Redentor no Rio de Janeiro – a cerimônia contou com discurso do padre Luiz Gonzaga Cabral, orador sacro da época, na gestão do então governador José Joaquim Seabra. O primeiro local que abrigou o Monumento ao Cristo Nosso Senhor foi o Morro do Camarão, a alguns metros de onde a estátua está situada hoje. O pedestal era todo revestido em pedras de cristal de rocha da Chapada Diamantina, em alusão à região do benfeitor.

 

No entanto, em 1967, a Aeronáutica decidiu transformar o local em área de segurança militar. A obra de arte, então, foi transferida para uma elevação defronte ao Morro Ipiranga e ganhou um novo pedestal, desta vez com base em granito preto. Com o passar dos anos, o local onde foi implantado o monumento passou a ser reconhecido como Morro do Cristo da Barra.

 

A nova localização deu maior visibilidade à obra de arte, cuja figura do Cristo possui 2,80m e 7m no total, contando com o pedestal. E mais: é uma das mais belas vistas da orla de Salvador, apreciada por moradores e visitantes principalmente para ver o pôr do sol na praia da Barra, até o Farol. Também hoje é ponto de encontro para um bom bate-papo, para o namoro e até mesmo para pequenas confraternizações ao ar livre.