Segunda-Feira , 20 Novembro 2017

 

 

A Rua Alagoinhas, no bairro do Rio Vermelho, reserva um imóvel que é ponto de encontro de pessoas de todas as faixas etárias, desde moradores da capital baiana até intelectuais, estudantes e turistas de várias as partes do mundo. Trata-se do memorial Casa do Rio Vermelho – Jorge Amado e Zélia Gattai, que comemora, nesta terça-feira (7), três anos de funcionamento após passar por uma completa reforma promovida pela Prefeitura, em 2014. De lá para cá, o espaço já recebeu aproximadamente 70 mil visitantes.

 

A Casa do Rio Vermelho era o local onde Jorge e Zélia recebiam visitas ilustres como as do escritor chileno Pablo Neruda e do cantor, maestro e pianista Tom Jobim, além de outras personalidades. Ela ficou fechada durante 11 anos após a morte dos ilustres moradores. Agora, fãs, curiosos e admiradores costumam ir ao lugar para conhecer momentos históricos e prestigiar um rico acervo pessoal dos renomados escritores baianos. Com mais de mil metros quadrados, a Casa possui um extenso jardim, onde estão as cinzas do casal.

 

Além disso, cada um dos 15 ambientes projetados, que mantém as características originais do imóvel, traz um assunto diferente sobre a vida de Jorge Amado e Zélia Gattai. “Transformamos os espaços da casa em expositivos, sem perder a atmosfera de um lar. Quem entra aqui continua vendo cômodos como a sala, cozinha, quarto. Aliado a isso, a gente ressalta aspectos da história de Jorge e Zélia, abordando a infância deles, viagens pelo mundo, obras etc.”, explica a neta do casal e coordenadora de Comunicação da Casa do Rio Vermelho, Maria João Amado.

 

Quem entra no espaço tem acesso ao rico acervo e documentos importantes de Jorge e Zélia, como cartas trocadas com personalidades nacionais e internacionais, além de poder assistir, em uma tela de cinema, a leituras feitas por famosos de obras do escritor, em 41 vídeos, na "Sala de Leitura". O público também pode ver, na "Roda de Conversa", no quintal da casa, vídeos com depoimentos de personalidade, amigos e familiares do casal de escritores. No total, em todo o memorial, são cerca de 30 horas de vídeos e projeções. Já a gastronomia na vida de Jorge e Zélia é retratada no espaço “Cozinha Dona Flor”.

 

“Recebemos a presença de muitos turistas do exterior, principalmente franceses, argentinos, americanos e ingleses. Muita gente inclusive chega ao Brasil pelos livros de Jorge Amado, para conhecer o homem que ele foi e quem foi sua companheira, Zélia. Ambos, além de serem escritores famosos no nosso país, eram pessoas generosas, com uma riqueza incalculável, que conheciam muito da cultura do nosso país e do mundo”, acrescenta Maria Amado.

 

O aposentado francês Stephane Nouvel, 64, volta para sua cidade natal hoje, em Saint-Nazaire, mas fez questão de visitar a Casa do Rio Vermelho antes de seguir viagem. “Gostei e me emocionei muito ao percorrer todo o circuito dessa casa”, disse o turista, que se entusiasmou ao ler a obra Bahia de Todos os Santos, de Jorge Amado.

 

Nesta terça-feira (7), uma turma com 44 estudantes do Colégio Estadual José Malta Maia saiu da cidade Jiquiriçá, interior da Bahia, para realizar uma excursão cultural na capital baiana e conhecer o espaço. “Jorge foi um escritor que contribuiu muito para a literatura brasileira. Sempre ouvi muito falar dele, mas nunca tive a chance de ter contato direto com suas obras e seus pertences”, revelou Laura Maria Souza Santana, 16, aluna do 1º ano do Ensino Médio.

 

Título - A Casa do Rio Vermelho, coordenada pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), recebeu certificado de excelência de um dos maiores sites de viagens do mundo, o TripAdvisor. O título foi emitido devido às excelentes avaliações que o equipamento recebeu no portal ao longo dos quase três anos de funcionamento. O memorial é aberto para visitação de terça-feira a domingo, das 10h às 17h, inclusive aos feriados. A entrada custa R$ 20,00 inteira e R$ 10,00 meia (idosos e estudantes), sendo que, nas quartas-feiras, o acesso é gratuito para todos.